quarta-feira, 29 de setembro de 2010

A importância de compreender (Lin Youtang)

Minha edição é bem antiga, do Círculo do Livro: acho que este livro só está disponível em sebos, mas vale a pena aquiri-lo. Você não precisa seguir uma ordem de leitura, pondendo ler na seqüência que quiser: de acordo com o próprio autor, Lin Yutante,um chinês nascido em 1895.
"não deveria ter ordem em um livro deste tipo,destinado a que nele se pesque ao acaso. Muitas antologias ou seletas chinesas não se preocupam com a ordem (seqüência), devendo cada trecho falar por si só, para que nele mergulhe o leitor quando folhear as páginas, encontrar uma palavra ou linha que lhe prenda a atenção. Demasiada ordem prejudica a disposição de repouso para a leitura de um livro."
 E, lendo este livro, o leitor - realmente, terá a deliciosa sensação de repouso e encontrará um refúgio para a incompreensão e mazelas do dia-a-dia do ocidental, tão repleto de desgastes e stress.

Os assuntos relacionados a diversos aspectos da vida, sob a ótica da milenar cultura chinesa. Ele contem provérbios, poemas, reflexões, diálogos, comentários, em 456 páginas que prendem a atenção do leitor, que se fascina com idéias com pedaços de vida cotidiana, literatura, arte, cultura filosofia.
Deixo ao amigo do blog, algumas passagens, selecionadas ao acaso, para sua avaliação:

- Os jovens deveriam ter a sabedoria dos velhos e os velhos deveriam ter o coração dos jovens.


-Não posso esperar ser um lavrador, mas aprenderei a regar as flores; não posso esperar tornar-me um lenhador, mas ficarei satisfeito arrancando as ervas daninhas.


- A literatura é paisagem na escrivaninha; a paisagem é literatura na terra.


- Os clássicos devem ser lidos quando se está sozinho, para refletir. A História deve ser lida juntamente com amigos, para trocar opiniões.

Claro que não vou transcrever aqui tudo: têm historietas tipo as histórias budistas ou de Nasrudin (o mestre sufista), poemas, coisas lindas e deliciosas, que vou deixar ao leitor descobrir no livro.
Com certeza, a leitura deste livro vai proporcionar ao leitor muitas reflexões, que só terão valido a pena se forem aplicadas no dia a dia. Sei que é difícil de aplicar tudo na prática, ou mesmo de lembrar aquilo que nos fez refletir, mas vale a pena ir tentando, em doses homeopáticas, usar cada reflexão deste livro  no nosso dia a dia: a vida ficará, com certeza, muito mais humana...

Plim-Plim (Paulo Henrique amorim e Helena Passos)

Sobre o Paulo Henrique Amorim é desnecessário falar alguma coisa: todos conhecem este jornalista , um dos raros confiáveis nesta mídia golpista. Quem desconhece sua risada deliciosa para quem ouve, mas não para o alvo de suas denúncias: aí ela fala mais do que mil palavras.

Hoje, Paulo Henrique amorim atua na mídia eletrônica, com seu portal "Conversa Afiada", um portal que vicia o internauta: você fica por dentro de tudo o que ocorre, de uma maneira honesta e agradável.

Com o presente livro, PHA desmascara a poderosíssima Rede Globo, manipuladora da opinião pública, principalmente em períodos eleitorais. Ele dismistifica o mito, o famoso "padrão globo de qualidade": em 1982, nas eleições ,
"quase tomaram a eleição para governador do Rio de Leonel Brizola".
É o famoso caso "Proconsult", que ainda deve estar na memória de muitos...Houve fraude, com a conivência da Globo e o PHA estava lá: denunciou tudo.
A co-autora do livro,
Maria Helena Passos, tambémé jornalista, já tendo atuado nas revistas Veja (outro órgão da imprensa golpista), Isto É(na época da Proconsult) e Carta Capital.

Um livro para quem quer estar por dentro dos fatos e da história recente do país, mostrando coisas que ainda acontecem, infelizmente, a cada eleição.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Casa Rossa (Francesca Marciano)

Estava procurando, há alguns anos atrás, alguma novidade do mercado editorial, quando o sr. Van Damme, proprietário da livraria, me indicou este livro. Comprei meio receosa, já que nunca tinha ouvido falar nesta escritora. Não me arrependi.

O sr. Van Damme sempre indica livros que adoro. Este não foi uma ex cessão à regra. Eu sou muito presa à literatura russa e, para me agradar, o livro tem que ser muito bom. É difícil alguém habituado à literatura russa gostar de algo. Casa Rossa é uma "saga familiar", de uma família do sul da Itália. É o desfilar de três gerações desta família, por um período que se inicia antes da Segunda Guerra e se desenrola até os anos oitenta. E esta saga se desenvolve tendo por pano de fundo cenários históricos e políticos, como o fascismo dos anos 30, as Brigadas Vermelhas dos anos 70, o terrorismo e outros cenários instigantes. A verdadeira história só vem à tona com a venda da casa, uma magnífica construção, que desnuda os segredos desta família.

Entre os personagens, repletos de ideais, valores e paixões, temos uma espiã alemã, que abandona o marido (o avô Lorenzo), um ex pintor de passado político duvidoso. Uma de suas netas abraça a luta armada, ao passo que a outra vive para o prazer e para as drogas. As duas encerram em alguns dos símbolos dos anos 60. A técnica do romance é a narrativa feita por Alina, cujas memórias se entrelaçam com a vida presente, tudo feito com descrições de cenários belíssimos.

A autora é italiana, nascida em Roma, em 1955 e este é seu segundo livro.