segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

POESIA MACEDÔNIA COM MÁTEIA MÁTEVSKI

Os poetas do leste europeu, à exceção dos russos, são, via de regra, pouco conhecidos no Brasil, o que é uma pena, já que por lá existem muitos poetas de primeira...Hoje apresento o poeta macedônio Máteia Mátevski, um dos mais reconhecidos e premiados de seu país.
 Seus textos foram publicados em quase todas revistas literárias européias e várias de suas obras já foram traduzidas em diversos idiomas. A ele é atribuído o início de um período completamente novo na poesia de sua língua materna, não somente no tocante aos temas escolhidos, mas também pela adoção de versos livres e de uma linguagem simples, direta e rica em possibilidades de leitura, sempre com a constante preocupação de pesquisar o novo, quer seja no terreno temático, quer seja no formal. Para ele, 
"palavra e poema são uma  condensação do tempo, segmento da experiência, razão da existência. A palavra deve desvendar a infinitude do tempo dentro dentro do qual se desenrola o drama da existência humana." Emerge como eixo temático de seus textos a contradição básica entre a sistemática reiteração do tempo, que a tudo aniquila e a tudo nivela, e a aparente atemporalidade do Universo, que cerca o Homem, criatura impotente diante desta ambigüidade.
Outra característica deste poeta é a eliminação de toda e qualquer pontuação em seus textos, deixando para o leitor a tarefa de dar a entonação e as pausas. Isto distoa completamente da tradição poética macedônica, com modelos métricos clássicos.
Em relação aos temas, estes também nada têm de clássico, passeando pelos séculos, indo buscar seus temas entre os bizantinos do século IX até os nossos dias, saíndo totalmente do conservadorismo poético.
Finalizo o post deixando com você, amigo leitor,um de seus poemas. Apreciem, é o que espero!

Balada Para o Tempo

Ao lado da folhagem cadente
e da geada colada nas mãos até onde cheguei

O tempo vai morrendo em tudo que nasce
e com ele vou diminuindo sempre
nem que seja um só passo

O outono é rico em sonhos
treistes por vezes 
em águas que caem
não se navega

Névoas ricas de novembro
por que aleitam os rios
Em suas águas rasas
até onde chegarei

Ouço o tempo morrendo

Do outono enregelado
um fruto perdura
com lábios roxos indaga
onde hei de chegar

Mátevski nasceu em 1929 em Istambul, na Turquia, indo para a Macedônia imediatamente após seu nascimento. e é, também, jornalista e professor de dramaturgia, além de tradutor.

fonte:
"À Sombra do Quarto Crescente"
Ed.Hucitec
Autor: Aleksandar Jovanovic